Archive

Archive for the ‘Pesquisa’ Category

Por que os canhotos são excluídos de pesquisas científicas?

Você sabia que apenas 10% da população escreve com a mão esquerda? Bem, a preferência por uma das mãos parece vir desde bem cedo. Imagens de ultrassom feitas em fetos mostram que com apenas 10 semanas de gestação os bebês mexem em torno de 85% mais o braço direito em comparação com o esquerdo, o que sugere uma base genética para a preferência do lado. A preferência por uma das mãos é apenas mais um fator que contribui para o que chamamos de lateralização do cérebro, ou seja, a assimetria entre os dois hemisférios cerebrais (saiba o leitor que o lado direito do cérebro é anatomicamente e funcionalmente diferente do lado esquerdo, mas isso é assunto para outro post).

Certo, mas por que será que os canhotos são excluídos de pesquisas em neurociências? Muitos pesquisadores reportam que tais indivíduos produzem um “ruído” nas pesquisas. Entenda-se por “ruído” qualquer resultado não desejado, ou que resulte em falsas análises. Explicando um pouco melhor: se uma pesquisa é feita para medir o nível de atividade de uma certa região do cérebro perante a algum estímulo, e essa região em específico é predominantemente direita, nos indivíduos canhotos pode ocorrer uma inversão, fazendo com que a região se localize no lado esquerdo deles. Isso deixa a amostra mais heterogênea e os resultados podem ser de difícil interpretação posteriormente.

No entanto, o estudo do cérebro de pessoas canhotas é necessário pois ele pode ajudar a entender melhor o funcionamento do cérebro perante variações diversas. É importante também entender como essas preferências podem interferir em outras funções do cérebro (como ações motoras, fala, memória, etc).

cartaz lhAgora, vocês sabiam que existe um dia que é chamado “Left-handers’ Day” (dia do canhoto), que é celebrado no dia 13 de agosto? Existe também um site para esse dia, com várias curiosidades sobre essa data e muitas outras informações interessantes sobre o mundo dos canhotos. Eles fazem cartazes e apoiam a divulgação dos mesmos, como este que se segue ao lado (Dia dos canhotos, 13 de agosto. Perigo! Zona da Esquerda, o uso do seu lado direito é proibido nesta área).

Existem também outras informações interessantes, como por exemplo você sabia que 98% dos canhotos usam a mão esquerda pra escrever e pintar, mas apenas 68% deles preferem arremessar uma bola com essa mão? Os inventores desse website também incentivam a criação de vários produtos para os canhotos, como tesouras, abridores de lata e caderno de notas, que na realidade existem mas são dificilmente encontrados no mercado.

E você, é destro ou canhoto? Encontra alguma dificuldade no seu dia a dia por conta disso?

Boa escrita, digo, boa leitura.

Fonte:

http://www.lefthandersday.com/

Willems et al. On the other hand: including lefthanders in cognitive neuroscience and neurogenetics. Opinion, Nature Reviews Neuroscience, 2014

 

Se você gostou do que leu, compartilhe 😉

Seja um voluntário em pesquisas!

photoOlá pessoal, hoje estou aqui para incentivar os caros leitores a se tornarem voluntários em pesquisas científicas. Em meio a tantas discussões sobre o uso de animais em pesquisas (mas não vamos entrar neste mérito agora) vale ressaltar a importância do uso de seres humanos para pesquisas também. Sim, porque novas drogas e medicamentos somente são aprovados para o uso após o teste em animais e em seres humanos. Então quer dizer que praticamente todos os medicamentos que usamos, alguns seres humanos foram “cobaias” e experimentaram antes da gente. Pois bem, não é só para esse tipo de pesquisa que podemos nos tornar voluntários. Também podemos ser voluntários de pesquisas praticamente nada invasivas, como é o caso de pesquisadores que estão tentando entender algum tipo de distúrbio presente no dia a dia dos humanos, como é o caso da insônia, por exemplo. Muitos pesquisadores estudam esse distúrbio para entender como ele acontece, para depois em um futuro começar a pesquisar novas drogas para combatê-lo. Outros exemplos seriam: a importância de exercícios físicos e  a memória, a importância do estudo e o aparecimento de doenças neurodegenerativas, a importância do ciclo circadiano nas tomadas de decisões, quais os benefícios de ser bilíngue, quais as habilidades cognitivas mais desenvolvidas um pianista tem, o que há de diferente no comportamento entre pessoas criadas pelos pais e pessoas criadas em orfanatos, porque algumas pessoas são diurnas e outras noturnas, qual a importância das horas de sono para consolidação da memória, o que as drogas causam no sistema nervoso, porque os mágicos nos enganam com seus truques, e muito mais. Muitas pesquisas se baseiam em testes que não são invasivos, não há necessidade de se tomar nenhum medicamento, há apenas que ter um comprometimento da pessoa que se sujeita a ser voluntário de realizar o teste e/ou questionário.

Uma vez eu participei de uma pesquisa em que a doutoranda testava a minha memória em determinados períodos do dia (logo cedo, a tarde e a noite), isso foi um tanto quanto inusitado pois o próprio voluntário (neste caso) tem um retorno de qual período do dia o seu cérebro está trabalhando melhor. Bem, abaixo listo dois sites de confiança que podemos nos cadastrar para nos tornarmos voluntários em pesquisa, e o mais importante é que você não necessariamente tem que fazer parte de toda pesquisa que for convidado, você tem o direito de negar se não quiser. Se você já estiver como voluntário em uma pesquisa também poderá abandonar ela no momento que quiser, não precisando concluí-la.  Tudo é feito sob supervisão de uma comissão de ética. Um dos links abaixo é do Instituto do Sono, em São Paulo. Esse instituto é muito importante e contribui com muitas descobertas e soluções para quem sofre de qualquer distúrbio do sono.

http://www.sono.org.br/pesquisa/sejaumvoluntario.php

http://cdecbrasil.com.br/seja_voluntario.aspx

Em breve postarei mais sites que podemos nos cadastrar. Se tiverem mais dúvidas fiquem a vontade para perguntar.

Todos pela conscientização pessoal, seja um voluntário!

Fazendo o cérebro ficar transparente

Pois é, agora inventaram uma técnica que ajuda e muito nas pesquisas que envolvem o cérebro. É uma técninca que faz ele ficar transparente, melhorando a visibilidade dos neurônios, células da glia e suas conexões. É importante também para melhor compreender a localização das células do cérebro, e mapear o caminho dos dendritos e axônios de cada neurônio individualmente. O vídeo abaixo mostra uma das aplicações possíveis dessa técnica. Foi descoberto que em cérebros com autismo os neurônios apresentam uma estrutura característica desse tipo de transtorno. Com essa técnica, é muito mais fácil visualizar a estrutura de cada uma das células, e também permite aos cientistas corar estruturas espefícas do cérebro para entender a sua localização, comportamento, estrutura e conexões e como isso é alterado em doenças diversas.

A técnica em questão foi criada pelo cientista Karl Deiserroth na Universidade Standford, na Califórnia, EUA e nomeada CLARITY.

Vi aqui.

 

Se você gostou do que leu, compartilhe 😉

Vamos criar a profissão CIENTISTA no Brasil!

Oi pessoal, para quem ainda não sabe, a neurocientista (professora da UFRJ) Suzana Herculano-Houzel está dando o primeiro passo para a profissionalização da profissão cientista no Brasil. Ao invés de ficar descrevendo tudo aqui, para quem quiser saber mais sobre os motivos, assistam o vídeo a seguir:

[youtube:http://www.youtube.com/watch?v=SzgxxLCRo-E%5D

 

Para quem apóia, por favor preencham o formulário para poder ajudar nas estatísticas: http://www.cerebronosso.bio.br/pela-profissionalizao-do-cient/

Para quem quer assinar o abaixo assinado, aí vai o link: http://bit.ly/profissaocientista

Agora é por conta de nós, estudantes e povo do Brasil! Compartilhem com os amigos e familiares! Precisamos nos movimentar, porque ela não pode fazer tudo sozinha! Precisamos ser notados!

 

Se você gostou do que leu, compartilhe 😉

Categorias:Pesquisa

A cor da xícara altera o sabor do seu chocolate quente

 

coloridaOi? Como? O que tem a ver a cor do recipiente com o sabor do alimento?
Pois é pessoal, os pesquisadores da Universidade de Oxford e da Universidade de Valencia fizeram esse teste! E o resultado foi um tanto quanto interessante.

Para isso, usaram 57 voluntários que tiveram que saborear um magnífico chocolate quente em 4 xícaras de plástico, de mesmas dimensões, mas de cores diferentes (vermelha, laranja, branco e marrom). Os participantes tinham que provar os chocolates e dar uma nota de escala sensorial. O resultado disso foi que os chocolates quentes que estavam nas xícaras laranja e marrom foram os mais indicados como os mais saborosos. Ainda, o chocolate presente na xícara marrom foi o que recebeu maiores notas para “mais doce” e com o “aroma mais intenso”.

Esse pessoal demonstrou então que os atributos físicos dos recipientes os quais usamos para comer ou beber influenciam a nossa percepção de sabores. O que acontece é que as informações sensoriais podem se cruzar dentro do sistema nervoso antes de serem interpretadas pelo nosso cérebro, ocorrendo uma influencia na percepção do sabor.

É claro que ainda existem algumas controvérsias, mas estudos como este podem ser importantes para chefs e restaurantes, bem como as empresas fornecedoras de alimentos, fazendo com que eles repensem melhor a respeito da cor do recipiente a ser usado.

E aí, bora tomar um chocolate quente numa xícara marrom?

 

 

Fonte:

Mente e Cérebro – Ano XIX n° 242

BETINA PIQUERAS-FISZMAN and CHARLES SPENCE, THE INFLUENCE OF THE COLOR OF THE CUP ON CONSUMERS’ PERCEPTION OF A HOT BEVERAGE, The Journal of Sensory Studies, 2012

 

Se você gostou do que leu, compartilhe 😉

Como cientistas estudam o cérebro

No vídeo são listadas algumas das várias técnicas usadas pelos neurocientistas para desvendar os mistérios do cérebro.

 

Se você gostou do que viu, compartilhe 😉

Categorias:Pesquisa

Procura-se supercentenários para pesquisa

O centro do Genoma Humano está realizando um projeto de análise do DNA e ressonância magnética de pessoas que se mantém saudáveis após os 80 anos. Será que alguns deles têm os genes protetores dos supercentenários? Se você for um deles ou conhecer pessoas com essas características que queiram participar do estudo por favor entre em contato conosco. E é claro que, quanto mais idoso, melhor. O email de contato é: 80mais@gmail.com

 

vi aqui.